sábado, 26 de julho de 2008

EXPOFACI 2008 Cantanhede Tasquinha ACRZ










A Associação Cultural e Recreativa do Zambujal está presente na EXPOFACIC com a sua tasquinha, que acolhedora serve pratos da região com destaque para o Bacalhau à Papa Lua e Galo à Papa Lua alé de outras iguaria como se pode verificar pela ementa.


Venham a um dos grandes eventos do país e o maior da zona centro.

O Provérbio: "Perdôo-te o mal que me fazes, pelo bem que me sabes"

quinta-feira, 17 de julho de 2008

"não baixem os braços"

Com o devido respeito ao Senhor Presidente da República, quando ele pede aos portugueses que "não baixem os braços" deve estar a referir-se àqueles portugueses que num esforço heróico e patriótico recebem por mês, tanto como dois mil trabalhadores (2000) em igual período.

Será que o Nosso Presidente da Repúbica se dirige àqueles que nunca fizeram outra coisa na vida senão trabalhar arduamente, havendo alguns que chegaram a pagar "braçal" um imposto devido ao Estado por terem dois braços de trabalho?

Penso que gente assim, a merecer o vencimento que auferem, só é possível porque produzem riqueza equivalente aos tais 2000 portugueses. Assim, se tivermos 50000 (cinquenta mil destes trabalhadores a valer cada um por dois mil) 0,5% da população portuguesa (dez milhões), isto equivale a 50.000x2000=100.000.000 (cem milhões) de trabalhadores produtivos, não haverá crise que nos atinja e o problema está resolvido. Já viram?

O crescimento será espectacular, os outros continuarão a comer a "sopita", não vão em futebois, feita do que produzem no quintal ou nas hortas urbanas, agora na moda, aumentando a poupança para que se paguem as dívidas.
Como faz o Tí Manel Rebelo exemplarmente com menos que 0,0005% do salário mensal dos "heróis da produção" que ganham mais de 2000 salários mínimos por mês.

Senhor Presidente da República o nosso povo não pode baixar os braços, porque é do seu trabalho que garantem a sua sobrevivência... e o povo não é suícida, o que pede é justiça na distribuição da riqueza que produz.

O provérbio: - "Da pobreza, tira o forte riqueza mais nobre" "

terça-feira, 15 de julho de 2008

Século XXI estamos a progredir ou pelo contrário?

O Dr. Vítor Constâncio (já foi ministro de qualquer coisa) vem-nos dizer que a crise que atravessamos pode ser idêntica há que se viveu a seguir à segunda guerra mundial, ao contrário do que disse antes, ele é Doutor sabe.





Perguntas para reflexão:





Quem controlou a economia deste país "Portugal" para a deixar neste estado de progresso?







Para distribuir responsabilidades, não a querem, costumam dizer, "somos todos responsáveis", será assim?





Teriam sido os mesmos especialistas que agora se mostram preocupados?





Porque não ouvem há décadas quem conhece a situação em cada momento, onde estiveram as universidades e o seu saber bem fazer?





Pela primeira vez ouvimos dizer que centenas de famílias estão a entregar no tribunal processos de insolvência, falência, isto é progresso?





Somos o país da zona Euro que se vê ultrapassado constantemente no que é bom e ultrapassa todos no que é mau, isto é progresso?





A maioria continua a fazer o que sempre fez, produzir riqueza com o seu trabalho, produzem para quem? Se cada vez estão mais pobres, apesar da riqueza que produzem?





O Dr. Bruto da Costa falou sobre a pobreza dos que trabalham, será que os que decidem sobre quem pode ser rico ou pobre, é sensível ao que ele diz?





A guerra no Afeganistão e no Iraque quanta riqueza destruíram, quanto sofrimento produziu e quanto custou à humanidade?





Veja algumas respostas sobre os custos, decerto valores por defeito.





Iraque, esta guerra foi apoiada por quem dirigia o país (Durão Barroso à frente) a maioria dos povos repudiou-a.





Há muitas mais respostas





http://paremomundo.com/2008/06/22/custos-da-guerra-no-iraque-em-video/





http://www.boston.com/news/world/middleeast/articles/2006/09/28/cost_of_iraq_war_nearly_2b_a_week/





Já se disse que a guerra no Afganistão e Iraque, já ultrapassou em custos a 2.ª Guerra Mundial, não haverá nenhuma relação destas guerras recentes com a crise actual?





Os estudiosos não tinham previsto isto? Ninguém os quis ouvir?











Será que queremos uma próxima guerra com o Irão?





Será que o perigo para humanidade é a bomba atómica que os países alinhados com os EUA, com a China e com a Rússia e quase todos têm a bomba atómica e a tecnologia para a produzirem, fornecida por quém? Mas fazem guerra aos países que dizem ter essas armas e depois vêm dizer que foram mal informados? E sabiam que não tinham ou não têm a tecnologia necessária á produção de tais armas, não estamos a falar de rodas pedaleiras, bicicletas ou mesmo motores de reacção, turbinas.






Porque será que o preço do petróleo aumenta loucamente?





Não será um acto de terrorista, para não dar descanso ao ocidente, como disse aquele, que o Bush disse que ia apanhar, um tal Laden, mas ainda não o apanhou e porquê?





Pensem no nosso progresso, porquê três dias de camionistas sem trabalhr quase param o país? Faz pensar em segurança, não faz? Se fosse um mês de paralização de transportes?





Porquê seis meses com o petróleo a aumentar de preço cria esta crise idêntica à que foi provocada pela guerra que destruiu a Europa nos anos quarenta?





Que raio de progresso é este, não temos os entrepostos criados nos anos oitenta cheios de bens para aguentar uma crise? Onde estão os celeiros do país? Os frigoríficos e armazéns?





Uma coisa é certa o homem não mente e diz passei a minha vida a trabalhar, parece-me que não tenho culpa disto, eu nem sequer sei ler... agora lê o Gandarês, é o Ti Manel Rebelo.



Para o Ti Manel Rebelo o pão é a medida de todas as coisas, sem ele não pode trabalhar e sem trabalho pensa que morre, ele não é homem de esquemas financeiros "especulações". de jogos de "bolsa" e outros e também não quer roubar por uma questão de honra, nunca foi armado cavaleiro como o "Robin dos Bosques", só sabe mesmo é trabalhar porque pensa e está convicto que é a única maneira de garantir o pão do dia a dia.





O Tí Manel Rebelo é um dos muitos milhões que vive mais de valores e princípios do que do pão que come.





Mas e a felicidade?





A solidariedade traduzida em solidão?





A segurança?





O futuro?





Também isto é contabilizado como variáveis da crise?





O Tí Manel Rebelo é mais um dos muitos milhões que se sente preso à sua pobreza da qual não se sente culpado, viveu uma vida de trabalho duro, para se manter vivo e enriquecer outros e eles parecem preocupados com a crise agora, sem medida económica, que saiba fazer, a não ser trabalhar com muito sofrimento, até que o descanso eterno chegue.









Na minha maneira de ver o presente com algum conhecimento da história os "Senhores do Mundo" estão a preparar a humanidade para muito sofrimento... Que me engane é o meu desejo.

As coisas boas alcansadas até hoje estão cada vez mais longe da maioria dos povos. Haver coisas boas e muito boas há mas só para uma élite muito restrita.

Este retrocesso não deve ser uma fatalidade, é preciso que não nos calemos.

Para uma reflexão complementar convido-vos a ler o amigo Arsénio Mota em Mando carta.




O provérbio: - "Com paz é que se trabalha"

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Assim, sim. Zambujal limpo

A Junta de Freguesia de Cadima, começou a limpar os passeios e jardins públicos do Zambujal.





Agora depois da limpeza está melhor que antes, faça-se a comparação aqui, é assim que deve ser Junta de Freguesia de Cadima. Até podemos agradecer ao São Tomé em vez de o fazer ao Senhor Presidente da autarquia.

O provérbio: - "Mais vale tarde que nunca"

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Contos da Dona Terra

Um belo livro de contos para oferecer aos nossos jovens, mas que os adultos também devem ler



Integrado nos programas do Ano Internacional do Planeta Terra, por iniciativa da Comissão Nacional da UNESCO e com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, foi publicado (edição planeta terra) o livro, "Contos da Dona Terra", dirigido aos mais jovens com o objectivo de os sensibilizar a assumirem comportamentos e boas práticas ambientais em defesa do Planeta Terra que no livro conta a sua história de vida e de património, através de dez contos de que são autores três académicos.

Maria Helena Henriques, doutorada em Paleontologia e licenciada em Jornalismo pela Universidade de Coimbra onde lecciona Paleontologia e Estratigrafia, desde 1983 no Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologia;



Maria José de Sá Miranda Moreno, Licenciada em Farmácia, doutorada e agregada em Química Farmacêutica e Fitoquímica da Universidade de Coimbra, onde lecciona, desde 1981, no Departamento de Química Farmacêutica da Faculdade de Farmácia;



António Marcos Galopim de Carvalho, Jubilado pela Universidade de Lisboa, tendo leccionado no Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências, foi Director do Museu de História Natural (1993-2003)





Agradecimos aos autores pelos belos e didácticos contos que nos oferecem.

("O pior é o Homem", diz a Dona Terra. "É o hospede que mais dores de cabeça me dá", lamenta.

..."Foi quando descobriu os meus tesouros que este desatino começou", diz Dona terra com profunda trispeza.) pg 11 dos "Contos da Dona Dona Terra".

Pedras "burgau" pintadas com figuras do próprio livro e oferecidas aos autores.



À Doutora Helena Henriques que colaborou na formação do Museu da Pedra de Cantanhede, e com o qual continua a colaborar com Palestras, Workshops e Exposições. Colabora com pareceres e justificações cientificas no sentido de se classificarem como património de interesse municipal os "afloramentos do jurássico" no Gião, local que conhece bem e onde tem dado aulas práticas (de campo) de estratigrafia.


A Professora Doutora Helena Henriques tem-nos dado a conhecer o nosso Planeta Terra com numa abordagem sistémica para melhor compreendermos as dinâmicas do e no mesmo Planeta.

Estes afloramentos no Gião, estão a ser sistematicamente destruídos, aos protagonistas da destruição, faria basicamente bem, a leitura dos "Contos da Dona Terra".



À Doutora Maria José Moreno, autora de artigos de Educação em Ciências e Educação para o Desenvolvimento Sustentável, além de outros artigos científicos.



Ao Doutor Galopim de Carvalho que colaborou na fundação e formação do Museu da Pedra de Cantanhede ao qual vem com frequência proferir palestras e colaborar com exposições. Foi de grande sucesso a exposição sobre dinossáurios "Os Dinossáurios Regressam a Cantanhede" na qual estiveram expostas replicas dos seus fósseis.



O provérbio: - "Algum dia será de festa, na nossa terra"

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Veja aqui o exemplo vergonhoso de Deputados Europeus quase no topo da cadeia do poder

Que fazer, quando pedem ao povo que seja cumpridor, que aperte mais o cinto para que o país avance, haja justiça honestidade e lealdade, senhores euro deputados.

Veja este vídeo da TV alemã RTL, está legendado em inglês.

Afinal quem são aqueles que vivem á custa do estado (contribuintes)? Descaradamente.

Quem é que deve fazer "sacrifícios" (sem que lhes custe)? Onde está a moral que apregoam?

Salvem-se, as excepções a estas vergonhosas práticas, que deveriam ser norma (as excepções, porque deve havê-las).
Mas se qualquer trabalhador funcionário público ou não, tivesse este lastimoso comportamento dos altos funcionários (ao serviço dos povos da Europa), o que lhe aconteceria à luz do Direito?

Vejam e ajuízem sobre os que exigem constantemente sacrifícios aos, desde sempre, sacrificados.

Porque dizem que é incomportável o aumento de ordenados, devem estar a pensar que os trabalhadores, podem aumentar o seu próprio e magro vencimento mensal, com os expedientes que exemplificam e praticam.


Nisto, como em tudo, que se passa nos bastidores, da plítica, geradores de factores de crise, deve ser uma pequenina ponta do "iceberg" da realidade.
http://www.youtube.com/watch?v=xnMtc_QJ4-E&eurl=

Temos direito à indignação que nos provocam?...

O provérbio: - "O poder sem moral, converte-se em tirania"

quinta-feira, 3 de julho de 2008

O Ferroada mais uma vez foi referido pelo "O GANDARÊS"

"O GANDARÊS " um "blog" que é um autêntico portal de conhecimento e informação válida e pertinente, honrou o "Ferroada" com mais este post: -



"O FERROADA

video


O GANDARÊS - O GANDARÊS acabou de ler o Ferroada na defesa da liberdade de expressão.Se calhar, e no caso concreto, até pode nem ter razão.O GANDARÊS aqui e agora, gostava de fazer como faz o FERROADA. Fica aqui o reconhecimento. "




Outro post no qual "O GANDARÊS" faz referência elogiosa ao "Ferroada".





"O Gandarês e o FERROADA



GÂNDARA - Quem anda a ler O GANDARÊS, é o ti Manuel Rebelo, que continua espantado quando ouve falar do 25 de Abril e da democracia, e atónito pergunta o que é isso? É bom p´ra gente?!!! Áh. Nunca soube disso!!! Nunca me disseram nada…Tive conhecimento que é amigo do Carlos Rebola. Visitem-os, e saibam a história do "Napoleão, amonites e incompetência". È no Zambujal, ao pé dos Rodelos, São Gião."

Obrigado amigo Fernando Heleno Santos pela honra concedida e que é maior que o mérito do "Ferroada"

O provérbio: - "A amizade não conhece o esquecimento"