domingo, 1 de junho de 2008

Porque dizem que hoje é o dia da criança, porquê só hoje?






Também fui uma criança protegida


e feliz.



Nós adultos já fomos crianças.

Felizes?! (pequeninos)

Se não, porque não?! Onde está a razão desta negação, à felicidade?!..
Convido-vos a reflectir porque há crianças infelizes e que morrem de fome ou despedaçadas por um bomba, homem, humanidade, tecnologia, civilização…



(Fonte da imagem)
Será que temos coragem para “olhar” ver e gritar?...
Assim quem, sem excepção, se pode considerar de consciência tranquila e feliz?...

Olhando para além do que sou, sinto vergonha de ter sido "FELIZ", há quem não ligue... Porque vêm razão para ligar...

Neste mundo povoado por gente humana, morre de fome uma criança a cada 15 segundos.

Será que este terreno flagêlo que convvive com a chegada de mais um engenho feito pelo homem a Marte não tem solução?


O provérbio: - "A felicidade consiste em não ter inquietações."

3 comentários:

Estrelinha disse...

uma verdade...triste...mórbida, mas uma verdade...

não digo que gostei,pois o tema causa-me arrepios,revolta,mas o tema sem dúvida foi bem escolhido...dia da criança! porque só hoje dia da criança? boa pergunta

beijinho

A. João Soares disse...

Caro Carlos Rebola.
Gosto da forma como abordou este problema. Parabéns.
Queremos que deixe de haver dias especializados em temas humanos, pois todos os dias devem merecer a nossa reflexão sobre os dramas humanitários.
A inquietação sobre as condições degradantes evitáveis deve ser permanente e, por isso, ninguém tem o direito de ser totalmente feliz.
Cada guerra é um crime múltiplo gerado pela ambição e falta de escrúpulos e de humanidade e, por isso, é condenável.
A ambição pessoal e o abuso do poder, como actualmente em Myanmar, devia ser motivo para julgamento em tribunal internacional e condenações severas.
A ONU que assiste incapaz a estas situações devis ser completamente renovada com estatutos que a obrigassem a evitar estes casos e a tomar medidas severas contra os causadores, por acção ou omissão.

Um abraço
A. João Soares

Arsénio Mota disse...

Carlos Rebola, incansável amigo: Demorei um bocadinho a voltar aqui e... eis! Encontro a vibrar o seu humanismo, intervindo em defesa da criança neste mundo e neste tempo de tão dramáticas desregulações dos sistemas e das normas. Amigo, temos de fazer coro forte das nossas vozes, cada vez mais forte, para mudar o que puder ser mudado nesta deriva para os abismos!