sexta-feira, 27 de junho de 2008

Caso inédito, na Câmara Municipal de Cantanhede os trabalhadores querem ser controlados. Um caso para a psicologia analizar? Ou ...?

Veja a notícia em:
© 2008 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Boas práticas/Cantanhede:
Trabalhadores da autarquia defenderam relógio de ponto (C/ FOTOS)
2008-06-25 09:00:00
** Casimiro Simões (texto) Paulo Novais (fotos) **

"Cantanhede, 25 Jun (Lusa) - Na Câmara Municipal de Cantanhede, distinguida com um prémio nacional por melhoria da qualidade dos serviços, "foram os próprios trabalhadores" a defenderem a existência de relógio de ponto, segundo o presidente da autarquia."

Será que os trabalhadores se tornaram tão irresponsáveis no cumprimento de horários que reconheceram que só com um relógio de ponto poderiam cumprí-los?

Será que defendem o relógio de ponto para tramar os "imcumpridores"?

Se tal defesa foi conseguida por um trabalho de consciencialização da necessidade de controle, o método aplicado deveria ser aplicado nas classe que lutam contra tal controle, nomeadamente na classe médica.


O provérbio: - "A liberdade não consiste em fazer o que se quer, mas o que se deve "

4 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

Nos tempos de trabalho, (meu), foi implementado o relógio de ponto.
Chefes, directores e quejandos, não tinham cartão.
Entravam e saíam quando queriam.
Mas foram apanhados pela teia, ninguém marcava o ponto e os relógios, que ainda custaram umas massitas, foram vandalizados.
Conclusão ... só depois de todos, mas todos, terem o cartão de embarque é que a coisa começou a rolar ...
Será que há baldas das grandes e dos grandes e assim, controlam-se os incumpridores?

Carla disse...

essa a principal questão: será que isso irá permitir controlar os incumpridores?

O gandarês disse...

Não estmos a perceber. Relógio de ponto, onde, para quem e como?
Há propaganda que o Gandarês não aceita. O que interessa é como autarquia resolve os problemas do concelho, e a questão não passa pelo momento em que se entra ou se sai. Passa pelo que se faz, e como se faz, durante o tempo em que hipoteticamente se está no horário de trabalho.
E ficamos por aqui...

fotógrafa disse...

Um fds cheio de calor,alegria e harmonia…


A ave corre feliz pelo ar,
O pensamento corre veloz pelo firmamento,
Vôo igual, mas diferente,
Vôo tranquilo e feliz!
Pois tudo ela faz por amor,
E o nosso pensamento porque quiz!!!

(Euzinha)