domingo, 26 de outubro de 2008

"Os meus comentários na blogosfera na última semana"

Opinião fundamentada!!!
Amigo A. João Soares

Este "post" a meu ver também ajuda a compreender como as palavras das pessoas importantes provocam alterações dos comportamentos.

Se um cidadão vulgar escrever numa carta ao director dum jornal que "há uma deficiência grave num determinado troço de estrada, que é preciso corrigir" é quase certo que ninguém lhe ligará. Mas se for por exemplo o PR a dizer precisamente o mesmo porque apanhou um susto no mesmo troço de estrada, é quase certo que a breve trecho a deficiência será corrigida.
Também penso que por vezes as informações, não analisadas convenientemente, dadas por fontes credíveis podem ter efeitos catastróficos. Acredita-se nos "índios" sem mais nem menos e depois...

Um abraço
Carlos Rebola


"AMOR E LOUCURA"
Mariazita

Este texto, sobre o amor e a loucura, baseado na mitologia grega, é uma pérola e termina com uma chamada de reflexão, porque o amor é cego e é guiado pela loucura vê com os olhos desta, ao contrário da paixão o amor é mais racional e prudente e por isso mais duradouro.

Beijos
Carlos Rebola

"CHICHÉN-ITZÁ"
A arquitectura Maia com seus majestosos edifícios que perduraram até hoje, como em "CHICHÉN-ITZÁ" e que estas belas fotos documentam, merecem ser património da humanidade.
Alguns estudiosos admitem que esta civilização imponente em muitas áreas científicas, decaiu devido a guerras e revoltas sobretudo dos agricultores e do povo que não aguentou a pressão dos senhores...
Lições do passado, para nos fazerem reflectir, hoje. Olhando, para estas fotos maravilhosas não é difícil imaginar a grandiosidade destas cidades no auge da sua actividade, deveriam ser verdadeiramente idílicas e de sonho.
Obrigado pela partilha das suas recordações.

Beijos
Carlos Rebola


Sem título
Obrigado São
Por partilhar este ensinamento, advertência, do Padre Mário Oliveira, verdadeiro praticante dos ensinamentos do Nazareno, que não tem nada a ver com a opulência dos templos e empreiteiros, que continuam a dizer-se cristãos mas que não praticam o cristianismo.
Talvez um dia a terra seja um paraíso mas sem os homens e mulheres que continuam a tratá-la a Terra de modo a que se torne inadequada à vida humana, mas a Terra não irá sucumbir ao contrário da humanidade se não parar com as suas loucuras.
Então a Terra tornar-se-á novamente num paraíso que a humanidade poderá não desfrutar por se ter suicidado.

Beijos
Carlos Rebola


"Ontem, hoje"
Uma recordação bonita, que dá para ver o "estendal" de toldes no areal e as verdadeiras vestes (trajes) dos que frequentavam, nos anos 40/50, a Praia da Nazaré. Fotografia muito interessante.

Hoje tudo é diferente, a vida é isto mesmo, mudança permanente.
Gostei. Felicidades.

Beijos
Carlos Rebola


"O SOL"
A Terra está à distância certa do Sol, para que nela se tivessem desenvolvido as formas de vida que conhecemos e somos.
A Terra desenvolveu uma protecção das radiações perigosas do Sol que mantém a vida que a habita.
Esta crónica ajudou-me a compreender melhor a necessidade vital de proteger a camada de ozone que estamos a pôr em risco e consequentemente a nossa qualidade de vida ou mesmo sobrevivência. Visto assim o Sol fonte de vida, também pode ser o seu contrário, por desleixo nosso.
Obrigado amigo Vieira Calado

Abraço
Carlos Rebola

"CURIOSIDADES ASTRONÓMICAS"
Perante esta escala astronómica, só poderemos ser humildes, tal é a nossa pequenez no universo.

Um abraço
Carlos Rebola


Tudo é ilusão

Olhar assim este poema lindo, faz-nos fantasiar nas asas daquelas gaivotas voando sobre o mar.
Obrigado por estes multiolhares.

Beijos
Carlos Rebola


"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
São

Isto só irá parar quando já não for possível de aguentar, se não fizermos com que pare antes.



"17 DE OUTUBRO: DIA INTERNACIONAL PARA A ELIMINAÇÃO DA POBREZA E DA EXCLUSÃO SOCIAL"
O paradoxo é, o que se desperdiça no mundo rico e dito "civilizado" dava para acabar com a pobreza no mundo o mesmo aconteceria se as nações esquecessem a guerra por um dia e o que nesse dia não se gastava com a guerra fosse distribuído pelos pobres, também acabaria com a pobreza no mundo.

Não sou contra estas iniciativas, pelo contrário, mas elas deveriam ser acompanhadas por outras mais práticas e corajosas, pelos dirigentes nacionais, se conseguem apoios dos povos para as guerras, também o conseguiriam decerto para acabar com a pobreza no mundo.
Estas fotos mexem connosco e fazem-nos reflectir sobre a nossa auto designação de “seres humanos” que até criou a “carta dos direitos humanos”.
Obrigado

Um abraço
Carlos Rebola


Sem título
Penso que ambos partilham, porque não vejo amor sem amizade nem amizade sem amor. Exceptuo sentimentos doentios, claro!
Abraço
Carlos Rebola


"SONHAR COM PRAZERES CARNAIS"
Parece que a chamada abstinência sexual ou castidade é que causa muitos problemas ao contrário duma sexualidade ao ritmo de cada um a dois.
Estou de acordo que a compulsão e a obsessão pela comida ou pelo sexo careça de alguma terapia, tanto no género feminino como no masculino, mas o comer e o fazer sexo são necessários para se ter uma vida saudável e de qualidade. O corpo e o espírito agradecem.

Um abraço
Carlos Rebola


Maldita crise financeira * Uma «explicação...
Com tantos macacos por aí, não admira, que ande muita gente a escorregar nas cascas das bananas que eles comeram. É preciso ter cuidado com as cascas das bananas e com os macacos espalhadas por aí. Já que os donos da macacada não aparecem, para prestarem contas dos estragos.

Abraço
Carlos Rebola


"O lápis e a borracha"
É verdade Carlos Gil

Está na natureza de muitos seres e infelizmente entre eles pessoas, destruírem o que outros fazem, numa tentativa de os diminuírem para assim parecerem maiores, mesmo quando vivem em comunhão. Se chamados a justificarem-se, fazem-no dizendo que é da sua própria natureza, que não podem mudar. Mas querem e tudo fazem para mudar a natureza dos outros.
O conto é para fazer reflectir, conseguiu, no entanto poderia ser mais elaborado.

Abraço
Carlos Rebola

"O grito do meu olhar"
Os olhos "espelho da alma" reflectem a luz do que vêem , deste cruzar de raios luminosos, partilhados, que mais não são que os caminhos do amor, desses gritos de luz pura. Assim o vazio, contem-nos, deixando de o ser.

Beijos
Carlos Rebola


Antigos combatentes discriminados

Os actuais políticos, como se costuma dizer, estão a cuspir no prato onde lhes serviram a sopa, se não fossem os militares, estes políticos que estão no poder, provavelmente nem (engenheiros) seriam. Os militares nunca lhes pediram privilégios, infelizmente hoje vêem à rua exigir, respeito pela sua condição, dignificação que teimam em retirar-lhe, que se cumpram as leis que lhes garantiriam alguns direitos e que o governo lhes pague o que lhes é devido. É realmente uma vergonha e sem pinga da mesma continuam a cuspir no prato onde lhes foi servida a sopa.
Os militares que por imposição, sofreram no corpo e na alma pela sua condição de ajuramentados ao serviço da pátria até ao limite das suas forças e própria vida deviam ser tratados como cidadãos de plenos direitos, não como indigentes...

Abraço
Carlos Rebola


Rotunda D. Dinis - Leiria
Replantar a nossa floresta de pinhal doente, com árvores autóctones seria uma boa resposta à degradação dos solos, ambiente e biodiversidade. Substituindo em parte a importação de madeiras exóticas para a industria imobiliária. A industria da celulose que importe o eucalipto dos países onde ele é autóctone.

Uma rotunda monumental, usada com bom gosto em homenagem aos homens, à História e à região.
Abraço
Carlos Rebola



Recuso-me! Faço greve...
Apesar de virem em cadeira de rodas, as tais letrinhas também não me suscitam solidariedade, essa, a solidariedade, é para si, estou consigo.
A abordagem que fez à situação é engraçada.

Abraço
Carlos Rebola


Ex-combatentes Vs toxicodependentes
Amigo A. João Soares

É um escândalo, que é preciso denunciar na rua, como os militares no activo e na reserva ou reforma estão a ser tratado pelo poder político. É preciso os militares virem à rua manifestar a sua indignação, porque as tutelas, chefias parecem mais a "voz do dono" e não ouvem os "seus homens" que reclamam a justiça que têm direito. O seu chefe supremo tão lesto a despachar favoravelmente a manutenção de vergonhosos privilégios de instituições e pessoas de duvidosos (assim parece) serviços prestados à nação se esqueça daqueles que todos os dias e noites com total disponibilidade estão ou estiveram ao serviço da Pátria e da Nação com um espírito de sacrifício que não raras vezes ultrapassa os limites da própria vida. Os militares e ex militares merecem outro tratamento que no mínimo deveria ser igual a todos os outros cidadãos e não é, como se já não bastasse o que lhes impõe ou impôs a sua condição de militares.

Um abraço
Carlos Rebola

"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Caro Vieira Calado

Este é um sentimento, que vivemos num país de aldrabões, infelizmente generalizado, entre os cidadãos portugueses contribuintes pagadores e que cumprem os seus deveres.

Um abraço
Carlos Rebola


"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Amigo Arsénio Mota

O que observamos e nos fazem neste país é um constante chamamento à insubordinação civil, causa revolta que a continuar assim não há espaço para tanta permissão e paciência.

O direito à indignação se exercido, pois uma vez que, quem pode decidir, não o tem em consideração, pode levar á desobediência civil colectiva.
São demasiadas crises, (onde estão os responsáveis?) para nos justificarem o sempre "aperta o cinto" e o têm que pagar mais, sofrimento, porque...porque... porque... propaganda da alienação.

Um abraço
Carlos Rebola

"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Caro Gil

São uma espécie de "Senhores Feudais" que vivem á custa dos servos, como não lhes bastasse ainda gozam. Não nadam em águas límpidas pelo contrário nadam em águas muito turvas, onde a transparência está ausente.

Abraço
Carlos Rebola


"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Carla

Temos que reagir, exercendo a nossa cidadania, reclamando e exigindo os nossos direitos, sob pena de "amanhã" nos tornarem a vida, que já é difícil para os cumpridores e honestos, insuportável ou inviável e aí já é tarde.

Beijos
Carlos Rebola

"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Táxi Pluvioso

Já se vende água, em garrafas (2dl) três a quatro vezes mais cara que a gasolina e anda-se a dizer que a gasolina está cara e está, mas e a água com gás ou sem gás, sendo os circuitos de distribuição e o fabrico mais leves , porque a água em garrafa (com a poluição sujeitamo-nos a não ter outra para beber) porque é mais cara que a gasolina? Não haverá especulação?

Abraço
Carlos Rebola

"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Mundo Azul

É o mundo global, a falta de honestidade e exploração do povo, tornaram-se rapidamente em pandemia e o pior é que ninguém com poder de decisão está virado para a combater.

Beijos de reflexo
Carlos Rebola

"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Amigo As-Nunes

A confusão nas facturas de serviços públicos, parece que é propositada, pois se fossem claras "transparentes" os consumidores verificariam que estão a pagar algo que não consomem e sentiriam o dever de reclamar, assim sempre ficam na dúvida e confusos, fragilizados.
Um amigo meu tem num terreno um poço do qual tira água com um motor eléctrico (trifásico) alimentado pela rede de electricidade da EDP, como na factura de consumo referente àquela "baixada" lhe aparece uma taxa de audiovisual, reclamou junto da empresa e esta disse-lhe que era obrigado a pagar, então perguntou se lhe podiam colocar uma tomada no local, para ligar uma televisão ou telefonia quando fosse ao terreno, mas (paradoxo) disseram-lhe que a colocação de tomadas naquele tipo de baixadas não eram permitidas. Ele pergunta isto não é roubar?

Um abraço
Carlos Rebola


"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Amigo Sifrónio

Pagamos sempre e aquele que reclama continua a pagar e pode ficar sujeito ao "moobing" que agora está na moda e parece fazer parte da gestão moderna de conflitos.

Os "lixos fixos" que são resíduos perigosos, resultantes dos pavimentos de "asfalto" produzidos nas suas obras de "saneamento?" e reparações das estradas estão realmente fixos, cobrindo os afloramentos do jurássico no baldio dos Rodelos em plena Reserva Ecológica Nacional, é caso para dizer que é pura "trafulhice" dizem que defendem o ambiente e as águas subterrâneas, estes resíduos perigosos naquele local mais tarde ou mais cedo vão contaminar o Aquífero Cársico da Bairrada, a sorte é que essa contaminação desaparece depressa (vários séculos). Desfraldem sem vergonha e pudor as bandeiras das "Boas práticas ambientais" com esta e outras situações, pois há mais no concelho, escandalosas.
"Paga e não bufa" é o que nos estão a impor (ditadura). É necessário lutar contra isto.

Um abraço
Carlos Rebola


"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"
Multiolhares

Na verdade somos um povo sereno, no entanto a serenidade tem limites e quando estes são atingidos, por inconsciência ou não daqueles que têm as soluções, o desfecho pode ser de grande sofrimento. Esperemos que os limites da serenidade não sejam ultrapassados.

Abraço
Carlos Rebola

"INOVA-EM factura das taxas, versus factura de consumo de água"

zbl

Se fosse só pão-de-ló!!!

Vê o que se passa na administração da GEBALIS-EM da Câmara de Lisboa, sabemos porque veio a público, o que não sabemos deve ser bem mais e maior. Parece ser paradigmático.

Carlos Rebola



"Tarifa ou taxa de disponibilidade. "Paga e não bufa" é tudo legal!!!!"
Amigo Táxi Pluvioso

Os impostos deveriam ser justa e equitativos, para salvaguardar, colocando ao serviço dos cidadãos, o “Estado Social”, conquista enorme da "revolução francesa (1789)" com a primeira "Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão".
Hoje a chamada "economia financeira" há quem lhe chame "grande casino" associada a medidas economicistas dos governantes estão a destruir o "Estado Social" estimulando a avidez pelos "lucros" a qualquer custo fazendo do nosso país dele aquele em que as desigualdades sociais e económicas (diferença entre ricos e podres, chamam-lhe "fosso") são vergonhosamente as maiores na União Europeia.

Andamos, há mais de trinta anos, a ouvir dizer que é preciso "apertar o cinto" para a solução dos problemas do país (isto com a ajuda de todos, será?). Que raio andam a fazer os "iluminados" e cientistas que estudam estes problemas que não conseguem ou será antes não querem encontrar uma solução duradoura, a isto só se pode chamar IMCOMPETÊNCIA ou vigarice, tantas comissões pagas milionariamente, para quê?
O ar e o sol, estão aí disponíveis, estão á espera de quê, apliquem aos seus consumidores a tarifa de disponibilidade, agora que estão na moda as "energias renováveis", talvez quando não podermos respirar queiramos gritar mas já não é possível o grito...

Um abraço
Carlos Rebola


CONSTELAÇÃO DO TOURO (2)
Amigo Vieira Calado
O fascínio do homem pelo céu estrelado é comprovado pela história da astronomia, como tão bem é exposto pelo amigo na postagem (1) relativa à Constelação do Touro, acho curioso que os Incas lhe tivessem dado o nome de “prado” pela sua representação.
Utilizar as estrelas, neste caso "Aldebaran" para orientação no mar, vem corroborar a afirmação de que a "astronomia está na génese da ciência".
É fantástica, a maneira, como o amigo Vieira Calado relaciona a mitologia e lendas de outrora com os factos científicos de hoje, mostrando-nos assim o caminho percorrido pelo Homem, acumulando saber, desenvolvendo a ciência.
Obrigado

Um abraço
Carlos Rebola

as escusas na lei antiga
Aqueles eram preceitos de humanismo e de respeito pela vida humana, parece que hoje se esqueceram que até na guerra há valores que devem ser respeitados.

Abraço
Carlos Rebola

Em torno do populismo
Amigo Arsénio Mota

Pelo que tenho vindo a observar, no discurso politico, a utilização do termo populista para pessoas e politicas, é utilizado quase invariavelmente para denegrir, lá sabem porquê (nós também sabemos), quem apresenta propostas realmente favoráveis ao povo mais sofredor. Não estou a pensar naquelas pessoas, essas sim populistas, que estão sempre a dizer que o que fazem é para bem de todos quando as consequências do que fazem só agravam a situação de que já está fragilizados, esse tipo de populismo no sentido deturpado (engano através da propaganda cientifica), que lhe querem impor, tem resultado no que hoje está á vista de todos, Portugal é um país da Europa onde o "fosso" entre ricos e pobres é maior.
Obrigado Arsénio, a sua explicação, fez-me, saber melhor e com mais consciência o uso das palavras “desvirtuadas intencionalmente” como armas assassinas de boas ideias, propostas e vontades.

Um abraço
Carlos rebola



No barco das mulheres
Talvez seja o seu instinto mais profundo, o maternal, que na idade procriadora, no subconsciente da mulher, lhe atire para cima a tremenda responsabilidade de pôr neste mundo, filhos de homens que para além do sexo exijam muito mais da mulher, filhos de progenitores capazes. (selecção natural?) Mas outras abordagens, são possíveis: - concorrência em haréns ou em mercados, mulheres "produzidas" para a sedução do lucro ou para o lucro da sedução, mas, e as mulheres que são as mais lindas do mundo, as nossas mães! Como é?...

Um abraço
Carlos Rebola



"Tarifa ou taxa de disponibilidade. "Paga e não bufa" é tudo legal!!!!"
Caro Vieira Calado

Nesta comparação de Portugal com outros países, o "poder" usa dois critérios e duas medidas, como o amigo diz e bem:

1- Para as coisas menos boas, temos que fazer porque os outros fazem e temos que os acompanhar.

2 - Para as coisas boas, isso seria irresponsabilidade da nossa parte e lá vem a propaganda científica diga-se aldrabice tipo “burla” para convencer “convencidos”.

Aquela de vamos "alcançar o pelotão da frente da Europa" só mesmo invertendo o sentido do percurso, depois da partida.

Um abraço
Carlos Rebola


PACTOS DE SILÊNCIO
Caro Sifrónio

Este caso, não deve ser mais, que a pontinha do grande iceberg dos compadrios políticos, da corrupção, do tráfico de influências, etc.
E assim vai o nosso país, com escandalosas trocas de favores entre os que estão no poder e pessoas influentes, que usam como moeda de troca, os direitos dos cidadãos honestos e de elevados valores, que cumprem os seus deveres, pagam os seus impostos integralmente, para serem entregues assim a gente que, sem moral ou dignidade humana e cívica, contribuem, na medida que estes casos nos mostram, porque outros não são mostrados, para que os pobres, a maioria, estejam cada vez mais pobres e os ricos (os de colarinho branco) estejam cada vez mais ricos.
Estamos, cada vez mais, próximos do limite suportável pela indignação que este estado de coisas provoca.

Um abraço
Carlos Rebola


Atelier
Até pode parecer bagunça, mas no fundo não é mais que o resultado da dinâmica, do trabalho do mestre artesão, no seu espaço pessoal, no qual tudo está à mão quando necessário, visto por terceiros parece desorganização, mas está tudo ali preparado para o nascimento de algo que vai gemer em de alegria nas mãos do felizardo mestre. Para alegria de quem vai ouvir e sentir na alma a sua voz que é musica, muito limpa.
Já está bonita, parabéns.

Abraço
Carlos Rebola


"Como invernar uma amizade?"
Lido ao contrário é o que precisamos fazer para manter uma amizade sempre viva e forte.
O peixinho agradece... obrigado.

Bom fim-de-semana
Carlos Rebola


"Tarifa ou taxa de disponibilidade. "Paga e não bufa" é tudo legal!!!!"
Graça Mello

Se durante a "antiga senhora" as pessoas tinham receio e medo que a PIDE as molestasse por terem a ousadia de emitirem as suas opiniões, hoje mais de trinta anos depois as pessoas têm medo de reclamarem e de expressarem o que consideram errado, já não existe a PIDE mas parece que se está perante uma espécie de "Moobing" generalizado, os trabalhadores se dizem que estão mal pagos o mais certo é irem para o "olho da rua", se os contribuintes se dizem injustiçados, logo vem a chacota, humilhação e marginalização porque não querem contribuir para o desenvolvimento do país.
Penso que estamos num país onde os governantes já disseram mal de todos os sectores sociais e laborais, é vergonhosa esta tentativa de pôr os cidadãos uns contra os outros por métodos de assédio psicológico designado por Moobing nas escolas pelos vistos está em desenvolvimento o Bulling.
Pagamos e calamos até nos "fartarmos" destas injustiças que nos chamam à insubordinação. Vejo o sistema fiscal como uma rede construída malha a malha, na qual caímos, precisamos estrebuchar até que haja rotura desta apertada “rede”.
Obrigado por ter linkado o "Ferroada" já linkei o "Mello".

Beijos
Carlos Rebola



"Tarifa ou taxa de disponibilidade. "Paga e não bufa" é tudo legal!!!!"
Mariazita

É verdade estamos perante a teoria do "gato pardo", é preciso mudar alguma coisa, para que tudo continue na mesma, no nosso caso pior.

Realmente estão a esticar demasiado a corda, que já está muito perto do pescoço, pode ser que a corda rebente, o que acontecerá de certeza, se nós, os prejudicados e condenados “à forca”, ajudarmos a acontecer e de preferência que rebente pelo lado mais forte ao contrário do que diz o ditado.
Como aconselhou o PR não podemos “baixar os braços”.

Beijos
Carlos Rebola



"SINCERIDADE"
Maravilhoso post sobre a sinceridade, que me fez reflectir.
Sendo a sinceridade, a transparência da "alma", dos pensamentos e sentimentos de quem a manifesta, por vezes esta pode trazer dissabores, já que mostra tudo o que temos e somos e segundo o ditado "a ocasião faz o ladrão" podemos ser despojados do que nos é querido, por valoroso. A génese romana da palavra e do seu sentido é interessante. As citações remetem à nossa reflexão, principalmente Fernando Pessoa. No entanto a sinceridade, nunca vende “gato por lebre”, que é negócio em expansão nos nossos dias, infelizmente.
Obrigado

Beijos
Carlos Rebola

O Provérbio: - "O pior uso que se pode fazer da liberdade é abdicar dela"

4 comentários:

delgado disse...

Não vou falar de municipios que não conheço,mas do meu, no qual pago os meus impostos atempadamente A Camara de Cantanhede,não ajuda os que realmente carecem ,mas sim os que são da cor,não procura resolver nem ir ao encontro dos desejos das populações e sobretudo colaborar com aqueles que se dedicam desinteresadamente na resolução de problemas comuns nomeadamente os ambientais, no meu municipio existem vários sitios enxarcados com alcatrão das estradas e outros residuos, alguns destes sitios aterrados durante a noite pela propria autarquia, será que são estas as boas práticas ambientais.
Lutadores incansaveis deste concelho, não desistam ,mas isto só se resolve na comunicação social basta apenas um telefonema ou mail e eles aí estão .

Carlos Rebola disse...

Caro Delgado

É verdade, todos o sabemos basta ver a comunicação social, que numa grande parte das autarquias, actualmente impera o compadrio, os favores políticos e outros, em prejuízo das populações. Na área do ambiente é o que se vê por todo o lado e sabemos que os grandes problemas ambientais resultam do somatório dos (pequenos?) delitos locais, tantas vezes perpetrados pelas próprias autarquias que se arrogam hipocritamente de serem exemplares nas boas práticas ambientais, recebendo por essas mentiras prémios que lhes são outorgados e oferecidos, só não sabemos se comprados mas sabemos que essas boas práticas ambientais ao arrepio da "Agenda 21" custam e vão custar muito mais às actuais gerações e ás vindouras. Uma descarada vergonha que provoca o riso dos protagonistas, perante a denuncia de tais actos criminosos.
Ao contrário de outros tempos as populações cada vez confiam menos nas autarquias que trocaram o serviço público a que estão obrigados pelo serviço privado a alguns, que os tribunais nalguns casos têm condenado.

Um abraço
Carlos Rebola

o que me vier à real gana disse...

Boa tarde, amigo Carlos!
Não, tb me parece que "não nadam em águas límpidas". Há um certo atavismo no comportamento dos ditos senhores, sim.

Continuação de boa escrita!

Carlos Rebola disse...

Caro Carlos Gil

Parece que determinadas condições, penso que ter poder é uma delas, fazem surgir comportamentos que há muito estavam esquecidos, talvez estivessem simplesmente sublimados.
Regresso às verdadeiras origens... há um ditado pela sabedoria popular que reza assim “se queres conhecer o vilão, põe-lhe um pau (cajado) na mão” há circunstâncias que o confirmam…

Um abraço
Carlos Rebola