sábado, 13 de junho de 2009

Santo Agostinho dizia "O mais difícil, é combater a Douta Ignorância"

Na Reserva Ecológica Nacional do Zambujal, em terrenos baldios sob administração das autarquias continua-se a destruir o património geológico e paleontológico e a preservar-se no local, o lixo e os milhares de metros cúbicos de alcatrão provenientes das obras de saneamento da Câmara Municipal de Cantanhede, aqui é que a Câmara deveria hastear com pompa e circunstância a bandeira ECO XXI e num monte de lixo a fazer de palanque defender as boas práticas ambientais reconhecidas aqui, pelo hastear da bandeira ECOXXI.

(clicar nas imagens para ampliar)


Esta amonite há mais de 140 milhões que "repousava" neste local que já foi um mar de águas tropicais azuis e pouco profundas, paraíso usufruído por criaturas não humanas. Esta amonite podia ser observada e estudada no seu meio natural, como uma extensão aberta do "Museu da Pedra" (paradoxalmente um museu da pedra sem um único geólogo, é verdade que tem licenciados em história que provavelmente consideram que não havendo nestas "pedras" qualquer inscrição ou símbolos feitos pelo homem, não são documentos são calhaus sem importância, isto é provado pela ausência de interesse e passividade perante a destruição sistemática). Perante esta amonite ninguém podia ficar indiferente à paisagem envolvente que nos leva ao sonho, que nos abre horizontes e nos faz reflectir sobre o que somos, donde viemos e qual será o nosso papel ou missão neste ponto e tempo, da nossa caminhada humana.



É prodigiosa a "Douta Ignorância"!!!
pois deve ser motivo de orgulho em poucos segundos conseguir desfazer em fragmentos inúteis o que levou milhões de anos a fazer.


O tempo como o sentimos e conhecemos, foi estrada dos seres humanos, com o comprimento de algumas centenas de milhares de anos, nesta caminhada chegamos ao século XXI, e o homem evoluiu e caracterizou este tempo de progresso, da tecnologia, da informação e do conhecimento.Mas sem qualquer respeito pela Mãe Natureza e pelos nossos antepassados que a tratavam com carinho, estão a destruir esta rica herança que os que nos antecederam preservaram. Uma vergonha que emerge do abandono dos valores humanos que nos diferenciavam dos animais irracionais.



Isto, já era ..., talvez no futuro se possa ver em vitrinas, posters e prateleiras de museus, o que é tido como defesa e preservação do ambiente e património, até dá prémios...


Após afastamento da blogosfera por motivos alheios á minha vontade, pelo que peço desculpas aos visitantes e amigos que aqui vieram e não viram nada de novo e também aos que esperavam uma visita minha e não a tiveram, também andam por aí a roubar o cobre que transporta as conversas telefónicas e a "banda larga" e de vez em quando também fico isolado, pois destroem as pontes e constroem muros. Recomeço hoje e com mágoa por verificar que destruíram uma das maiores amonites que durante muitos milhões de anos jazia nos afloramentos que Câmara Municipal deveria classificar de interesse público ao menos com a mesma facilidade com que classifica um armazém (ver acta da Assembleia Municipal N.º 06/08 de 09/12/08, ponto 2), que talvez não chegue a durar mais que um milhão de anos. Sustentabilidade e noções socioculturais, que estão na moda defenderem.
O Provérbio: - "A cabeça do ignorante é uma esponja seca"

Posted by Picasa

7 comentários:

A. M. disse...

É sem dúvida muito sincera e sentida a pena que o amigo Carlos Rebola exprime neste post. Esteve arredado umas semanas deste espaço e, agora que regressa (oxalá que em boas condições para continuar), custa-lhe ainda mais o regresso perante a tristeza do que vê perder-se por aí sem qualquer proveito real.
A administração do património público deveria ter sempre na devida conta o valor de cada caso. Há bens na natureza que não são renováveis e que até podem ser únicos. Os atentados e as cegueiras, então, podem ser incompreensíveis e indesculpáveis.
Saudações cordiais.

Anónimo disse...

A ignorância governa-nos!

MDomingues disse...

Caro Rebola!
Eu não acredito que haja burrice ou ignorância,(o burro aprende e o ignorante cultiva-se) mas sim um défice durante a escolaridade!

Alguém se governa a vender só dinossauros de plástico a meninos!

http://fossil.uc.pt/pags/utili.dwt

Um abraco
MDomingues

António disse...

Que grandes cavalgaduras...arre!
"A ignorância anda de braço dado com a felicidade..." será por isso que estes politicos andam sempre de sorriso naquelas beiças?

Mariazita disse...

Meu caro Carlos
Só agora vi o teu comentário na minha "Casa", e fiquei preocupada com o teu estado de saúde, pois pareceu-me que terá sido por motivos de saúde (ou falta dela...) que estiveste ausente todo este tempo.
Infelizmente, no teu regresso só encontras motivos para desgosto.
Compreendo perfeitamente a revolta que manifestas no teu post, pois a falta de respeito e as agressões à Mãe-Natureza são constantes.
O bicho-Homem parece mais irracional do que os próprios animais irracionais, que tantas vezes nos dão lições.
A única coisa que podemos fazer é ir alertando, chamando a atenção para o que está mal, pois não temos poderes para mais do que isso.

Desejo a tua recuperação completa, e que possas continuar a fazer-nos companhia.

Um beijo com muita amizade
Mariazita

O GANDARÊS disse...

Ora bem aparecido Sr Rebola!
Li a acta da Assembleia Municipal N.º 06/08 de 09/12/08, ponto 2. É um mimo.O Sr Mário Miranda de Almeida (Orima), quando Presidente da Junta fez a sua casa no meio da estrada. Foi aprovada. Agora parece que vai construir um armazém. Vai também ser aprovado. Onde é que vai ser construído. No adro da Igreja?
Vivó`interesse público!

Anónimo disse...

É o tal armazém é considerado de interesse público.
As águas dos Olhos da Fervença estão na mira do saque.